Pré-Natal Odontológico

Saúde na gravidez

O Que é Pré-Natal Odontológico?

 

É um conjunto de cuidados que visam a promoção da saúde bucal da mulher durante o período de sua gestação. Estes cuidados irão interferir diretamente na qualidade de vida da gestante e contribuir com a saúde do bebê.

 

Mas por que a mulher precisa desse acompanhamento?

A mulher grávida passa por diversas alterações fisiológicas e fica mais propensa a desenvolver gengivite. Além disso, os enjoos constantes, uma dieta em intervalos de tempo mais curto e ingestão de alimentos ácidos,  elevam o risco da mulher desenvolver a cárie e também as lesões não cariosas (erosão ácida).

Qual o problema da presença da cárie durante a gestação?

 Se a cárie não for tratada ela irá progredir e seguir o seu curso levando a pessoa precisar ou de tratamento de canal, coroa ou perda do dente, esses são um dos malefícios da presença da cárie durante a gestação. A presença de dentes cariados  também eleva a quantidade de microrganismos na boca que podem ser transmitidos da mãe para o bebê.

 

O que fazer então? Como tratar?

Após a avaliação profissional, se diagnosticar uma cárie durante o período da gravidez, não há nenhum problema em tratá-la com uma restauração. Muitas mulheres grávidas tem receio do tratamento dentário, principalmente por causa da anestesia,  mas existem anestésicos indicados para serem administrados em gestantes. Devem ser inseridos também novos hábito de higiene bucal para se adequar com a nova dieta. Nestes casos a orientação é sempre individualizada com instrução de higiene bucal e também em quais intervalos de tempo deverá ser feita a escovação e se há a necessidade de complementar algum tipo de solução para bochecho.

 

Após o meu bebê nascer posso passar cárie para ele?

A cárie é uma doença multifatorial isto é precisa da presença da placa bacteriana, de um dente, de uma dieta inadequada e de tempo para ela se estabelecer.

A futura mamãe possui total influência em dois fatores:

  • Placa bacteriana

  • Dieta inadequada

A placa bacteriana é composta por diversos microrganismos e estes podem ser transmitidos de uma pessoa para outra. Aliás não somente a mãe pode transmitir mas o pai, familiares e quem mais tiver contato frequente com o bebê. As vias de transmissão são as mais variadas dentre elas estão o beijo na boca (me perdoem as mamães que fazem este gesto de carinho mas, infelizmente ele é responsável pela transmissão de microrganismos), assoprar a comida antes de dar ao o bebê entre outros. É claro que este risco de transmissão é muito maior se a pessoa que estiver em contato com a criança possua cárie não tratada na boca. Porque certamente nesta cavidade oral as bactérias estarão em maior quantidade e o risco de transmissão é maior do que em uma boca saudável.

Então o ideal é que todos que estejam em contato com o bebê possuam saúde bucal em dia.

Existe também uma orientação profissional específica para a mãe no período de amamentação em estabelecer os hábitos de higiene bucal do bebê até que a criança tenha habilidade motora para fazer a escovação de forma eficaz e sozinha.

A dieta inadequada esta relacionada a introdução muito cedo do açúcar na alimentação do bebê (adoçar o leite por exemplo), seguido da falta de cuidados com a higiene bucal.

 

 

Gengivite na gravidez

É bastante comum o aparecimento ou agravamento da gengivite durante a gravidez, ela afeta de 30 a 100% das gestantes.

Por que as grávidas tem mais gengivite?

Devido as alterações hormonais que ocorrem nesse período. 

 

Como tratar?

Cada pessoa deverá receber um tratamento individualizado pois cada um possui problemas e necessidades específicas, e o profissional de odontologia fará esse diagnóstico e irá determinar a melhor conduta.

 

Se eu não tratar o que acontece?

A gengivite irá seguir o curso natural da doença e poderá evoluir para uma periodontite, com perda do osso que segura o dente e poderá apresentar mobilidade e até a perda do dente.

Há também a possibilidade da gengiva inchar bastante em algumas regiões da boca a ponto de formar uma massa como se fosse um tumor chamado de granuloma. Ele não é cancerígeno mas compromete a estética e higiene.

 

A presença de problemas na gengiva mais sérios poderão causar o nascimento de bebês prematuros e de baixo peso?

Determinar quais fatores provocam o nascimento de bebês prematuros e com baixo peso é bastante complexo, pois essas ocorrências acontecem pela influência de múltiplas causas.

O importante é que os cientistas não descartam a necessidade de uma avaliação da saúde bucal e o tratamento dentário como medida preventiva durante todo o período gestacional.

 

E onde o tratamento dos problemas gengivais entrariam como medida preventiva a um nascimento de bebês prematuros e de baixo peso?

Dentre os fatores de risco ao nascimento de prematuros estão a presença de infecção e inflamação. As doenças da gengiva (doenças periodontais) são  de caráter inflamatório e infeccioso, sendo assim, a gengiva inflamada é um reservatório, tanto para os produtos microbianos, quanto para os mediadores da inflamação.

Os estudos científicos atuais sobre a relação de nascimentos de bebês prematuros com mães que possuem problemas na gengiva, apontam uma forte associação entre os dois. Com isso é necessária atenção ao tratamento das doenças da gengiva na mãe como forma preventiva ao nascimento de bebês prematuros e de baixo peso.

E claro não descartando as ações preventivas referentes aos demais fatores sistêmicos de risco que podem causar esta intercorrência na gestação.

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Ícone

© 2023 por Nós Sorrimos. Criado orgulhosamente com Wix.com